Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.uricer.edu.br/handle/35974/131
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorCastro, Márcia Bairros de-
dc.contributor.authorSantos, Laís Bonato dos-
dc.date.accessioned2019-08-08T12:08:40Z-
dc.date.available2019-08-08T12:08:40Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier.urihttp://repositorio.uricer.edu.br/handle/35974/131-
dc.descriptionNos dias de hoje é comum ouvirmos falar de dores na boca e cabeça, decorrentes de problemas com a Articulação Temporomandibular (ATM). Usamos o termo DTM (Disfunção Temporomandibular) para reunir um grupo de afecções do sistema mastigatório, ATM e outras estruturas periféricas. Pacientes com essa disfunção apresentam como principal sintoma a dor miofascial associada à função mandibular alterada (AMANTÉA, NOVAES, CAMPOLONGO, 2004). Como cervical e ATM estão interligadas, pelo sistema muscular, ósseo e articular, é possível que alterações em uma das duas estruturas possam ocasionar diferentes alterações biomecânicas nas mesmas. A postura incorreta pode ser uma dessas causas. Foi observado que existe uma intima relação entre DTM e alterações na postura corporal. Devido a esta inter-relação, pacientes portadores de tal doença articular, apresentam também desvios posturais como anteriorização da cabeça, aumento da lordose cervical, e até desvios entre vértebras. Considerando que os desvios posturais desorganizam a harmonia corporal, com possíveis reflexos no sistema crâniocérvicomandibular, modalidades fisioterapêuticas como Pilates, Quiropraxia, Mulligan, Maitland, exercícios posturais, eletroterapia, reeducações proprioceptivas, entre outras, parecem beneficiar tanto as DTMs quanto os desvios posturais. No estudo de Calixtre et al., 2016, foram avaliados as funções mandibulares, oclusão bucal e dor pré e pós intervenção, os indivíduos que receberam intervenção em um protocolo tiveram como resultado uma melhora significativa da função mandibular e alívio de dor em indivíduos com DTM. Para evidenciar a relação entre cervical e ATM, Milanesi et al., 2013, apresenta um estudo da severidade da desordem temporomandibular e sua relação com medidas cefalométricas craniocervicais. Apresenta através dos resultados cefalométricos as alterações nos índices muscular e temporomandibular que sugerem a relação entre uma maior inclinação cervical baixa e uma maior severidade da DTM. Conclui-se, que com a intervenção fisioterapêutica de várias modalidades apresentam benefícios comprovados e colaboram para aliviar as dores musculares, aumentar a abertura e o fechamento bucal, reduzir pontos de tensão, melhorar a postura cervical e condilar. A disposição dos resultados estudados nesse artigo revela, no entanto, a necessidade de outros estudos investigarem os efeitos do tratamento da cervical em indivíduos com tais disfunções para criar-se evidências mais fortes sobre o tema.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectFisioterapiapt_BR
dc.subjectArticulação temporomandibular - Doençaspt_BR
dc.subjectDor cervicalpt_BR
dc.titleImportância do tratamento da coluna cervical nas DTMs: uma revisão bibliográficapt_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missõespt_BR
dc.degree.initialsURI Erechimpt_BR
dc.degree.departmentCiências da Saúdept_BR
dc.degree.programEspecialização - Fisioterapia, Ortopedia e Traumatologiapt_BR
dc.degree.countryBrasilpt_BR
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Laís Bonatto dos Santos.pdf200,28 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.